CCS
CCS Events
CCS Libraries
About CCS
CCS Projects
BRICS
CCS Highlights


Publication Details

Reference
Bond, Patrick (2012) South Africa’s Carbon-Tax Debate Disappoints. Triple Crisis : -.

Summary
(also available in Portuguese at INESC)

To be sure, it’s a difficult period for imposing new environmental taxes, given ongoing financial sector power over public policy. With the entry of European Union airlines into the region’s fast-collapsing Emissions Trading Scheme, a group of non-European countries led by the Chinese is revolting against paying higher air fares to and from Europe.

There are bad and good arguments about carbon taxation here. According to a China Daily report, “Europe’s compulsory charges are set to have great impact on China’s aviation industry, and more profound influences may be found in the export sector. China therefore strongly opposes the EU’s unilateral action, viewing the EU’s move as violating the United Nations Climate Change Framework Convention and related regulations of the International Air Transport Association.”

The North’s opportunities for creeping carbon taxes will rise or fall in this battle, since finding agreement on the UN’s ‘common but differentiated responsibility’ (a good argument against imposing the tax on poorer countries) will be near impossible.

Would a carbon tax help slow climate change? It depends on how high it must be in order to generate conservation incentives. As HSBC bank economists argued in a report released on March 8, the recent Brent crude oil price rise to 96 euros/barrel had the equivalent disincentive to emit CO2 as would a carbon price of 153 euros/tonne (ten times higher than most current proposals). The European Union’s Emissions Trading Scheme now sells carbon at just 8 euros/tonne. As HSBC put it, “Even pricing carbon at its total estimated damage costs of 64 euros/tonne has equivalent economic impacts to an oil price rise of only $24/bbl.”

South Africa, an in-between country that hosted the UN’s climate summit (COP17) last December, should reasonably be expected to also hold a rigorous, far-ranging debate on transitioning to a low-carbon economy through strategic state investments and by imposing taxes on egregious polluters. East of Johannesburg, for instance, Sasol’s coal/gas-to-liquid petroleum refinery at Secunda is still the world’s worst CO2 emissions site, while the Eskom parastatal electricity supplier is building the world’s third and fourth largest coal-fired power plants at Medupi and Kusile, north and west of Joburg, also despoiling the region’s fragile water supplies.

Sadly though, we have not raised climate consciousness to the point that even a rudimentary conversation has begun on either command-and-control regulatory reductions or neoliberal ‘get the prices right’ strategies to internalize pollution externalities. We still have no clue as to how quickly carbon taxes would be passed to consumers, and whether price elasticities generate genuine behavioural change – or simply more class apartheid.

Worst of all, the state regulatory option appears off the table. Last month, President Jacob Zuma’s State of the Nation address and Finance Minister Pravin Gordhan’s Budget Speech set the tone for renewed pro-corporate, high-carbon underdevelopment, announcing more than $100 billion worth of new infrastructure for minerals export, smelting and port expansion. Fracking shale-gas extraction also appears imminent, with Shell proposing to drill SA’s most water-sensitive area, the Karoo.

Evidently, SA civil society’s watchdogging of the triple-crisis nexus of finance, development and environment is not working. Moreover, last week, Parliament gave constituents a lesson on how not to discuss low-carbon development. Environment Committee chairperson Johnny de Lange is best known for two interventions in parliament, namely physically fighting an opposition party member and then admitting his ministry was losing SA’s infamous fight against crime. He proved unresilient when facing up to the world’s greatest challenge, throwing another blind punch at the environment and, according to Parliamentary Monitoring Group minutes, ignoring carbon taxation entirely: “De Lange commented that a large part of the population were poor and struggled to survive every day, and the last thing they would want to think about would be the future.”

In reality, grassroots movements – such as the South Durban Community Environmental Alliance (disclosure: I’m a member) – make regular appeals to bring down Eskom’s extreme electricity prices as an urgent matter of daily life, for they have soared 150 percent since 2008 to pay for Medupi and Kusile (not to mention another $45 billion we expect to be billed for nuclear power plant construction in the coming 15 years). The way to do so is to halt new coal-fired powerplant construction and simultaneously, so as to avoid demand pressure, cut off the supply of the world’s cheapest electricity to BHP Billiton and Anglo American Corporation. The former guzzles more than 10 percent of SA electricity, providing just 1500 jobs in its main aluminum smelters.

Any such attack on these mega-corporations requires much more social and labour pressure, as well as a Just Transition alternative such as that recently developed by the ‘Million Climate Jobs’ campaign. It’s still very early in the process, and we can expect interminable delays from a Treasury reluctant to harm mining houses which are already lobbying vigorously against a tax.

In its most detailed document, Pretoria’s neoliberal Treasury officials claim, “a tax of $10/t CO2e, increasing to around $25/t CO2e would be both feasible and appropriate to achieve the desired behaviourial changes and emissions reduction targets.” Those emissions-cut ambitions (34 percent by 2020 from a very high 2009 ‘Growth Without Constraints’ scenario) are rather low, given our vast historical responsibility for greenhouse gas emissions: third highest per capita rate amongst the 20 major emitters.

If we want a genuine transformation of coal-addicted SA capitalism and for Climate Justice to prevail, it looks like we should put much more pressure on the state to rethink its absurd investment plans, to cut power to smelters while ensuring metal workers have jobs in renewables, and to roll out more Free Basic Electricity (beyond current token supplies of 50 kWh/household/month to ‘indigent’ families).

The only good news from South Africa is that with the world’s carbon markets in crisis, virtually no one is talking about emissions trading, unlike misguided politicians and policy wonks in Sacramento and Beijing.




Debate do Imposto sobre o Carbono na África do Sul Decepciona
Deixar um comentário Patrick Bond 16, Março, 2012

Com certeza, este é um momento difícil para a imposição de novos impostos ambientais, em função do atual poderexercido pelo setor financeiro sobre as políticas públicas. Com a entrada das linhas aéreas da União Europeia no Esquema de Comércio de Emissões em franco processo de colapso, um grupo de países não europeus liderado pelos chineses está se revoltando contra o pagamento de preços mais altos por vôos para entrar e sair da Europa.

Existem argumentos ruins e bons a respeito da taxação do carbono por aqui. De acordo com o relatório do China Daily, “Os impostos compulsórios da Europa terminarão tendo um forte impacto sobre a indústria de aviação da China, e influências mais profundas podem ser sentidas no setor de exportação. Portanto, a China se opõe fortemente à ação unilateral da UE, e vê a decisão da UE como uma violação da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática e outras regulações afins da Associação Internacional de Transporte Aéreo”.
As oportunidades que o Norte terá para empurrar impostos sobre o carbono aumentarão ou diminuirão nessa batalha, uma vez que alcançar um acordo pautado pela ‘responsabilidade comum, porém diferenciada’ da ONU (um bom argumento contra a imposição do imposto para os países mais pobres) será praticamente impossível.

Um imposto sobre o carbono seria capaz de diminuir o ritmo da mudança climática? Isso depende do quão alto ele deve ser para conseguir gerar incentivos para a conservação. Como argumentaram os economistas do banco HSBC em um relatório lançado em 8 de março, o aumento no preço do petróleo tipo Brent cru para 96 euros por barril foi um desincentivo à emissão de CO2 equivalente ao que teria um preço do carbono de 153 euros por tonelada (dez vezes mais alto do que a maioria das propostas atuais). O Esquema de Comércio de Emissões da União Europeia está vendendo carbono atualmente a apenas oito euros por tonelada. Como colocou o HSBC, “Até mesmo a fixação de preços para o carbono no patamar dos seus custos totais de danos, estimados em 64 euros por tonelada, teria os impactos econômicos equivalentes a um aumento de apenas $24/bbl no preço do petróleo”.

A África do Sul – um país intermediário, que, em dezembro passado, sediou a cúpula climática da ONU (COP17) – também deveria manter um debate razoavelmente rigoroso e abrangente sobre como fazer a transição para uma economia de baixo consumo de carbono por meio de investimentos estatais, e pela imposição de impostos sobre poluentes notórios. Por exemplo, a leste de Johanesburgo, a refinaria de carvão e petróleo GTL da Sasol em Secunda ainda é o pior lugar de emissões de CO2 do mundo, enquanto que a fornecedora de energia elétrica paraestatal Eskom está construindo a terceira e a quarta maiores usinas a carvão do mundo em Medupi e Kusile, ao norte de Johanesburgo, também espoliando as frágeis fontes de água da região.

É triste ver que não conseguimos elevar o nível de conscientização nem mesmo a um patamar suficiente para que se inicie um rudimentar diálogo sobre reduções regulatórias no comando e no controle, ou sobre as estratégias neoliberais de preços justos (o ‘getthepricesright’) para internalizar as externalidades poluentes. Ainda não fazemos ideia do quão rapidamente os impostos sobre o carbono seriam revertidos aos consumidores, e se as elasticidades nos preços conseguiriam gerar mudanças genuínas de comportamento – ou simplesmente um apartheid de classe ainda maior.

E – o pior de tudo – a opção regulatória estatal está fora da mesa de discussões. No mês passado, o discurso sobre o Estado da Nação pelo Presidente Jacob Zuma e o Discurso sobre o Orçamento pelo Ministro das Finanças Pravin Gordhan confirmaram o tom de subdesenvolvimento pró-corporativo e de alto uso de carbono, anunciando o equivalente a mais de $100 bilhões em investimentos em infraestrutura para a exportação de minérios, fundição e expansões portuárias. A extração de gás de xisto pelo método conhecido como fracking também parece iminente, com a proposta feita pela Shell para perfurar a área mais sensível à água na África do Sul, em Karoo.

Evidentemente, o monitoramento ativista da sociedade civil da África do Sul em relação ao nexo da crise tripla das finanças, do desenvolvimento e do meioambiente não está funcionando. Ademais, na semana passada, o Parlamento deu aos seus membros uma lição de como não discutir o desenvolvimento de baixo carbono. O diretor do Comitê Ambiental, Johnny de Lange, é mais bem conhecido por conta de duas intervenções no parlamento: por ter lutado fisicamente com um membro do partido de oposição, e por admitir que o seu ministério estava perdendo a infame luta da África do Sul contra o crime. Ele se mostrou inflexível ao lidar com o maior desafio do mundo, dando outro sopapo cego no meioambiente e, de acordo com as minutas do Grupo de Monitoramento Parlamentar, ignorando totalmente a taxação do carbono: “De Lange comentou que uma grande parte da população era pobre e lutava para sobreviver a cada dia, e que a última coisa em que ela iria querer pensar era no futuro”.

Na verdade, os movimentos de base – tais como a Aliança Ambiental Comunitária de Durban do Sul (a propósito: eu sou um membro dela) – fazem apelos regularmente pela diminuição dos preços extremados de eletricidade da Eskom como uma questão urgente da vida diária, pois eles já aumentaram 150 por cento desde 2008, para pagar pelas construções de Medupi e Kusile (sem mencionar outros $45 bilhões que esperamos ter que pagar pela construção de uma usina nuclear nos próximos 15 anos). A maneira de lidar com isso é interromper a construção da nova usina termoelétrica a carvão e, simultaneamente, a fim de evitar a pressão da demanda, suspender o fornecimento da eletricidade mais barata do mundo à BHP Billiton e à Anglo American Corporation – a primeira, responsável por engolir mais de dez por cento da eletricidade da África do Sul, enquanto mantém apenas 1500 empregos em suas principais fundições de alumínio.

Qualquer ataque desse tipo contra essas megacorporações requer muito mais pressão social e trabalhista, juntamente com uma alternativa de Transição Justa tal como a recentemente desenvolvida pela campanha de ‘Um Milhão de Empregos Climáticos’. Ainda estamos muito no início desse processo e podemos esperar intermináveis atrasos da parte de um Tesouro relutante em aumentar a cobrança de mineradoras que já estão fazendo um vigoroso lobby contra um eventual imposto.

No seu mais detalhado documento, os representantes do Tesouro neoliberal de Pretória afirmam que “um imposto de $10/t de CO2e, aumentando para cerca de $25/t CO2e, seria algo ao mesmo tempo factível e apropriado para alcançarmos as mudanças comportamentais e as metas de redução de emissões desejadas”. Tais ambições de cortes nas emissões em 34 por cento até 2020, partindo de um cenário de altíssimo ‘Crescimento sem Restrições’ em 2009, são na verdade muito modestas, quando consideramos nossa grande responsabilidade histórica pelas emissões de gases de efeito estufa: a terceira mais alta taxa de emissão per capita entre os 20 maiores emissores.

Se quisermos a genuína transformação de um capitalismo sulafricano viciado em carvão, e se quisermos que a Justiça Climática prevaleça, parece que precisamos pressionar muito mais o Estado, para que ele possa repensar os seus absurdos planos de investimento, cortar o fornecimento de energia das fundições enquanto assegura que os metalúrgicos tenham trabalhos em campos renováveis, e estenda o programa de Eletricidade Básica Gratuita (além dos atuais suprimentos simbólicos de 50 kWh/lar/mês para famílias ‘indigentes’).

A única boa notícia a respeito da África do Sul é que com os mercados mundiais de carbono em crise, praticamente ninguém está falando sobre o comércio internacional de emissões, ao contrário de políticos mal orientados e nerds de políticas públicas em Sacramento e Beijing.

O Inesc estabeleceu uma parceria com o Triple Crisis Blog – espaço online que discute as perspectivas globais sobre as crises econômica, ambiental e do desenvolvimento. O Blog foi criado para provocar na população uma discussão aberta sobre tais problemas mundiais e reúne uma rede de especialistas que tratam de assuntos relacionados às três crises. A intenção é desenvolver debates e análises sobre o atual cenário global e apresentar soluções possíveis de serem realizadas coletivamente. Além da população, o Triple Blog pretende impactar também a esfera política.

On The Web 
 cast your net a little wider...
 Radical Philosophy 
 AFRICAN ENVIROMENTAL JUSTICE DOCUMENTARY FILMS 
 African Studies Association (USA)  
 New Dawn Engineering 
 Wikipedia 
 Indymedia Radio 
 Southern Africa Report online 
 Online Anti Apartheid Periodicals, 1960 - 1994 
 Autonomy & Solidarity 
 New Formulation 
 We Write 
 International Journal of Socialist Renewal 
 Theoria 
 Journal of African Philosophy 
 British Library for Development Studies 
 The Nordic Africa Institute Online Library 
 Political Economy Research Institute Bulletin (PERI) 
 Feminist Africa 
 Jacques Depelchin's Tribute to Harold Wolpe 
 Chimurenga 
 African Studies Quarterly 
 The Industrial Workers of the World 
 Anarchist Archives 
 Wholewheat Radio 
 Transformation: Critical Perspectives on Southern Africa  
 Zanon Workers 
 Public Citizen  
 Open Directory Project 
 Big noise films 
 London Review of Books  
 New York Review of Books 
 Monthly Review 
 New Left Review 
 Bureau of Public Secrets  
 Zed Books 
 Pluto Press 
 Duke University Press  
 Abe Books 
 The Electric Book Company 
 Project Guttenberg 
 Newspeak Dictionary 
 Feral Script Kiddies 
 Go Open Source 
 Source Forge 
 www.kiarchive.ru 
 Ubuntu Linux Home Page 
 Software for Apple Computers 



|  Contact Information  |  Terms of Use  |  Privacy